História, Revisionismo e Racismo nos EUA: CHARLOTTESVILE 2017.



O mundo viu a face, sem qualquer máscara ou simbologia escondida o ressurgimento do racismo nos Estados Unidos, ou pelo menos a sua nova cara.  Foi em Charlottesville na Virgínia no dia 11 de agosto de 2017. E contou inclusive com a KKK – Ku Klux Klan que via a chance de voltar ao antigo protagonismo racista do século XX com a nova vestimenta de “supremacistas brancos”, uma expressão tão incorreta quanto a sua aplicabilidade. 

Tanto por que o ódio racial não difere em nada do sentimento que desde a Guerra da Secessão (1861-1865) e durante o século XX, mesmo após o fim do escravismo no sul dos Estados Unidos, perdurou nos corpos e mentes de parte da população branca estadunidense.

Como uma claraboia que se abre diante de uma oportunidade, o racismo voltou à tona fomentado por um presidente que abriu outras claraboias de ódio como o xenofobismo e o nacionalismo imperialista. O discurso de Donald Trump de “primeiro os Estados Unidos”, soa como uma imitação chula e de mau gosto da Doutrina Monroe (“A América para os Americanos”).

Apesar do imperialismo americano nunca ter deixado de ser prato do dia na Casa Branca, os oito anos de Obama aumentaram a insatisfação de parte da população que viu em Trump a chance de retomar algumas mudanças, bem como derrubar alguns avanços nas “políticas de bem estar social”, como o Obamacare. E é para esta parcela de insatisfeitos que Trump afinou seu discurso de Direita xenófoba e tenta “governar” somente para essa parcela de eleitores.

Em 1859, quando os Estados Unidos ainda possuíam a escravidão latente no Sul e este era motivo de um embate tanto econômico quanto humanitário, o agricultor e abolicionista John Brown, que acreditava no uso da violência para libertar os escravos do Sul reuniu 23 pessoas (incluía três filhos, dois genros e somente cinco negros) com o intuito de saquear o depósito de armas federais em Harper Ferry (Virgínia).

Seu objetivo era após tomar as armas seguir distribuindo-as pelo interior da Virgínia para os escravos das fazendas próximas e daí lutarem contra os fazendeiros escravagistas. Após a invasão, que durou 36 horas, John Brown enviou seis homens às fazendas das proximidades do depósito de armas para que libertassem os escravos e fizessem reféns os escravagistas. Mas a insurreição de escravos que Brown planejou não aconteceu. Um exército composto por escravagistas, milicianos e marines, comandados pelo Coronel Robert E. Lee dizimou o sonho de Brown. Preso, foi condenado a forca.

159 anos depois, o estado da Virgínia foi palco de outro combate, desta vez racistas contra ativistas antirracismo, iniciada com a marcha dos racistas no dia 11 de agosto de 2017 e resultando na morte de Heather Heyer (de 32 anos) no dia seguinte, atropelada pelo racista da Vanguard America James Fields Junior (20 anos), deixando ainda 19 feridos. Esse embate teve como fagulha uma estátua do General Robert E. Lee, o mesmo que quando Coronel fazendo parte do exército da União conseguiu capturar John Brown e seus 22 homens.

A estátua do Gal.  Robert E. Lee, de acordo com uma lei local não condiz com a realidade dos dias atuais, portanto deveria ser retirada, sendo um símbolo racista. No revisionismo histórico da lei local da Virgínia, a figura do Gal. Robert E. Lee traz a memória o separatismo entre brancos e negros e principalmente incentiva as posições racistas. Daí a contenda, enquanto os racistas americanos querem a permanência da estátua e de outros símbolos confederados como um passado de glória do Sul, os ativistas pró direitos humanos e antirracistas querem o cumprimento da Lei, ou seja, a retirada dos símbolos que lembram o passado escravagista e racista do Sul.

Nos Estados Unidos de John Brown e Robert E. Lee, o revisionismo histórico tem suas ironias e controvérsias: John Brown é lembrado como um ativista da abolição e mártir da causa da liberdade, mas também como o “primeiro terrorista dos EUA”; Robert E. Lee passou a ser uma figura respeitada no Norte e no Sul, inclusive com a idealização da Guerra da Secessão como um movimento para defender os direitos constitucionais do Sul(chamada de “Lost Cause”) retirando a questão escravagista da discussão, tornando Lee um nobre cavalheiro, esquecendo o seu passado escravagista( tanto que Abraham Lincoln convidou-lhe para comandar tropas da União e ele preferiu combater ao lado dos escravagistas do sul). No fim, o revisionismo acabou abrindo novas feridas e trazendo à tona antigos sentimentos que nunca morreram apenas estão ali adormecidos esperando o momento certo de renascer.



Referências bibliográficas:
EFIMOV at alii. História Moderna – As revoluções burguesas, vol. I, 2ª ed. , Ed. Estampa, 1977.
DAVIDSON, J. W. Uma breve história dos Estados Unidos – Trad. Janaina Marcoantonio, 1ª ed. , Porto Alegre, RS: R & PM, 2016.
SELLERS, C. ; MAY, H.  e MCMILLEN, R. Uma realvaliação da história dos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Massacre de Suzano e a sombra de Columbine

FAVELAS - AS FRONTEIRAS DO PRECONCEITO